Front Gate Tickets implanta RFID HF para seus festivais de música e artes

Quando os fãs de festivais de música se alinham no portão de entrada, a RFID de alta frequência (HF) pode fazer o processo mais rápido do que os códigos de barras, mas ainda cria alguns atrasos quando indivíduos param para tocar seus crachás ou pulseiras, aguardando uma resposta do leitor. A empresa de ingressos Front Gate Tickets está oferecendo uma solução baseada em RFID HF, de 13.56 MHz, compatível com a norma ISO 14443, para manter os fãs em movimento, sem ter de parar na entrada.

A empresa implantou o que chama de leitor de RFID Lids para seus festivais de música e artes, incluindo Lollapalooza, lollapalooza Bonnaroo e Austin City Limits. O sistema, fornecido pela Barcoding Inc., destina-se a permitir a rápida instalação de leitores RFID modulares num evento e para permitir que os participantes acessem rapidamente uma área, simplesmente passando a pulseira num leitor. A Front Gate pretende usar a tecnologia em 60 eventos neste ano, para reduzir as esperas e aumentar a segurança.

Nos cerca de 15 eventos da Front Gate Ticket que já usavam a tecnologia, as visitas às barracas de ajuda foram reduzidas em 85%, enquanto as filas se movimentavam mais rapidamente com menos acúmulo do que nos mesmos eventos dos anos anteriores. O sistema consiste de leitores HF RFID embutidos em um quiosque, permitindo que a etiqueta seja lida com as pessoas passando pelas portas de entrada e outros portais, diz Zachary Lander-Portnoy, gerente de vendas da Barcoding Inc. Além de reduzir filas e atrasos na entrada, o sistema também oferece maior proteção contra fraudes, falsificação de passaportes etc.

A Front Gate Tickets oferece uma solução de serviço completa para alguns dos maiores festivais de música nos Estados Unidos. Vende ingressos para os participantes e fornece hardware de acesso, software de gerenciamento de tickets e um centro de atendimento e centro de atendimento para chamadas recebidas de compradores de ingressos.

Há quatro anos, a Front Gate Tickets introduziu pela primeira vez a tecnologia RFID em suas soluções de controle de acesso em festivais de música, diz Brandon Little, diretor de operações de campo da Front Gate. A empresa criou seu próprio sistema RFID HF, incluindo leitores de portão, ingressos e pulseiras RFID e software de gerenciamento de leitura. O sistema então identifica se cada passagem digitalizada foi autorizada para entrada e armazenou esses dados.

 

“Construímos o sistema em casa”, diz Little. “Nós estávamos mergulhando nossos dedos do pé na água naquele tempo, mas nós soubemos imediatamente que se nós quiséssemos permanecer à frente da competição, nós precisamos ir ao nível seguinte”.

Uma desvantagem do sistema inicial foi a sua faixa de leitura, Little recorda. Os usuários precisavam posicionar a pulseira ou o bilhete acima de um espaço de meio dólar no quiosque, e era difícil para os usuários terem certeza de que o ID da tag tinha sido lido.

Assim, em 2016, a empresa começou a adotar um sistema da Barcoding Inc., que apresenta leitores para Front Gate Tickets. O leitor Power-over-Ethernet equivale a um pódio na altura da cintura com um topo plano no qual um leitor e uma antena RF HF estão instalados, aproximadamente do tamanho de um iPad da Apple. Um usuário passa pelo leitor, deslizando sua pulseira a centímetros daquela superfície plana e uma luz LED azul se ilumina para sinalizar uma leitura autorizada. Se a pulseira não for aceita, a luz brilha em vermelho.

Os dados coletados são armazenados no software baseado em nuvem do Front Gate Tickets. No entanto, diz Little, a tecnologia foi projetada para operar sem a internet quando necessário, uma vez que as conexões Wi-Fi estão muitas vezes indisponíveis ou limitadas em sites de festival. Para gerenciar problemas de acesso à internet, a empresa também instala servidores localizados nos sites para fornecer redundância.

A tecnologia pode ser instalada não apenas nas entradas e saídas das portas, mas também nas áreas VIP de back-stage (bastidores, atrás do palco). Assim, um indivíduo com permissão especial pode ter acesso a uma faixa ou back-stage.

 

As equipes de trabalho e membros da banda também podem receber pulseiras ou emblemas laminados. Esses crachás ou pulseiras RFID, em seguida, poderiam fornecer entrada para áreas de back-stage ou acesso a comida. O sistema também pode acompanhar os movimentos dos participantes dentro e fora de um evento, bem como quantos trabalhadores estão no local a qualquer momento, a duração da presença de cada trabalhador e quantos usam os serviços de restauração. Esses dados podem habilitar o festival a melhor estratégia de serviços ou colocações de portões em eventos futuros.

“Queríamos algo solidamente construído que não precisasse de muitos ajustes – algo plug and play”, diz Little. A partir de junho de 2016, a empresa lançou o sistema em diversos eventos.

Este ano, cerca de 60 festivais da empresa e outros eventos de clientes irão empregar o sistema Lid, de acordo com Bryce Fegley, diretor da Front Gate Tickets. Os outros eventos são menores e tendem a não exigir esse nível de automação para controle de acesso e emissão de bilhetes, observa ele. Como tal, utilizam um sistema baseado em código de barras, também fornecido pela Barcoding Inc.

Para aqueles que usam a pulseira habilitada para RFID, opções como pagamentos sem caixa (em que a ID da pulseira de um usuário está vinculada ao cartão de crédito) serão usadas em alguns casos. O sistema também permite ativações de patrocínio, como a utilização de quiosques para concursos ou prêmios.

“A satisfação que vimos de nossos clientes tem sido o melhor benefício”, afirma Fegley. “Eles foram guindados pelos novos portais”.

 

Via rfidjournal

WhatsApp chat