EUA ampliarão RFID na segurança de aeroportos

A American Airlines financiará a nova infraestrutura para triagem em quatro aeroportos, segundo a Transportation Security Administration (TSA)

A Transportation Security Administration (TSA) planeja expandir a implantação da tecnologia de triagem de bagagem por identificação por radiofrequência (RFID) para 60 pistas dos aeroportos dos Estados Unidos (EUA) até o final deste ano. A TSA, agência doDepartment of Homeland Security, tem utilizado RFID em testes no Hartsfield-Jackson Atlanta International Airport, desde o final de maio de 2016. A tecnologia comprovou aumentar a eficiência da triagem de passageiros em 30%, segundo a agência.

Com o intuito de atrair o apoio das companhias aéreas para financiar as implantações, previstas para serem concluídas no segundo semestre deste ano, a TSA vai trabalhar com a American Airlines para instalar a tecnologia nos aeroportos Chicago O’Hare Internacional, Dallas Fort Worth, Los Angeles International e Miami International. Robert Isom, COO da American Airlines, enviou uma carta aos funcionários de sua empresa, indicando que a companhia está gastando US$ 5 milhões para melhorar a tecnologia de triagem nos centros da American Airlines. “As pistas de triagem automatizadas são muito novas nos aeroportos norte-americanos”, escreveu, “e incorporam as mais recentes tecnologias para que as coisas que são feitas hoje manualmente possam ser feitas eletronicamente amanhã”.

O sistema baseado em RFID é composto por correias transportadoras automatizadas que transportam as bagagens dos passageiros para máquinas de raios-X, desviando automaticamente qualquer uma que exija um exame adicional pelo pessoal da TSA. As etiquetas RFID passivas UHF são ligadas a cada mala neste processo com transmissão de dados para os interrogadores instalados em vários locais ao longo das correias, explica Mark Howell, porta-voz regional de TSA.

esteira_aeroporto

Em maio, a TSA e a Delta Airlines instalaram duas pistas de triagem RFID no aeroporto de Atlanta. As malas vêm com etiquetas RFID UHF, cada uma com um número de identificação único. Um leitor de RFID na entrada das máquinas de raios-X permite que ID seja relacionado a uma foto tirada automaticamente.

Se o sistema ou o pessoal de triagem identificar um item suspeito-olhando, este é redirecionado para uma área de triagem manual. Outro leitor RFID capta esse evento, acionando assim o sistema para exibir a imagem na tela, de modo que possa ser comparada com a de raios-X. O pessoal da TSA também pode usar um leitor RFID portátil para puxar as imagens dos raios-X, de modo que possam ter certeza que estão procurando o volume correto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat

Esse website usa Cookies para melhorar a sua navegação. Política de Privacidade