Construtora de New York ganha segurança e visibilidade

Centenas de trabalhadores atuam em construção em Nova York todos os dias, de uma dúzia ou mais de empresas contratantes. Gerenciar quais indivíduos estão em quais locais e quando envolve contagem manual ou varredura por código de barras, na melhor das hipóteses.

Lettire Construction adotou recentemente a tecnologia baseada em Internet das Coisas (IoT), usando RFID ativa, que não só automatiza a identificação dos indivíduos e das empresas para as quais trabalham enquanto se movimentam em seus locais de trabalho, mas também acompanha a atividade dos trabalhadores e reduz o risco de alguém estar ferido.

O sistema de segurança do trabalhador Spot-r, fornecido pela Triax Technologies, permite que a empresa de construção identifique seus funcionários com sensores Spot-r IoT e conecta trabalhadores e gerentes no local em caso de emergência. Com a tecnologia, a Lettire informa que obteve visibilidade total do local de trabalho, melhorou a comunicação e a segurança, e reduziu o tempo gasto pelo pessoal para o rastreamento de pessoas e informações. O Spot-r também ajuda a Lettire a cumprir os regulamentos de conformidade do local de trabalho da cidade e fornece dados históricos que podem ser usados para criar locais de trabalho mais seguros e eficientes.

A Lettire constrói habitação multifamiliar e mix de usos sustentáveis e acessíveis em Nova York e na área de Tristate, diz Bernard (Bernie) Ruf, diretor de operações da Lettire. A empresa está usando o sistema Spot-r em seu projeto de Acacia Gardens de 20.000 metros quadrados e 12 andares, diz Ruf – um novo edifício de tijolos na esquina da East 120th Street e First Avenue em East Harlem. O desenvolvimento criará 179 novas casas acessíveis para residentes com baixos e extremamente baixos rendimentos, alguns dos quais anteriormente eram sem-teto. Em frente, diz Ruf, a tecnologia Triax será utilizada em todos os seus projetos de construção.

Quando se trata de controle de acesso em projetos da cidade de Nova York, diz Ruf, existem muitas camadas de controle e documentação necessárias. Os gerentes devem rastrear quem está no local em qualquer momento, as empresas para as quais trabalham e o treinamento que tiveram. O acesso a um site também pode expirar devido a requisitos de treinamento de segurança, por exemplo, então a Lettire deve garantir que ninguém esteja no local, cuja autorização está desatualizada.

Para o controle de acesso, Ruf diz: “Nós já temos cartões de identificação com foto” que podem ser digitalizados, fornecendo um registro de quem relatou trabalhar em um determinado site e quando. O sistema Spot-r, explica, “não substitui isso”.

O Spot-r consiste em sensores RFID proprietários ativos de 900 MHz, bem como receptores. Estes, diz Chad Hollingsworth, CEO da Triax Technologies, criam uma malha proprietária.

Os dispositivos sensores podem ser usados por um trabalhador e cada um possui uma bateria de lítio recarregável incorporada. Também vêm com altímetro, acelerômetro e giroscópio para identificar o movimento, a direção e o impacto de um indivíduo em caso de queda. Cada dispositivo também contém um sensor infravermelho, para confirmar que está sendo usado.

Os nós instalados em torno de um local de trabalho são cerca de metade do tamanho de uma caixa de sapatos, informa a empresa. Podem receber transmissões de sensores a uma distância de até 1.000 pés em um ambiente aberto, ou 200 pés em um ambiente interno denso. Uma instalação também pode empregar impulsionadores Triax que encaminham dados para os nós. Os nós operam em uma rede de malha, com alguns desses nós usando uma conexão celular para encaminhar dados para um servidor baseado em nuvem, onde o software integra essa informação com o software de gerenciamento de uma empresa.

Normalmente, cada sensor é configurado para disparar a cada 10 segundos. A transmissão é então recebida por até quatro dos receptores mais próximos.

No início do projeto, a Lettire e seus trabalhadores passaram pelo trailer de segurança do local para orientação. Cada indivíduo recebeu uma identificação quando completou o treinamento e as informações dessa pessoa foram inseridas no software Procore da Lettire que ajuda a administrar e garantir a segurança.

Quando os trabalhadores chegam no site, o guarda de segurança varre o distintivo e atribui a essa pessoa um clipe Spot-r que é armazenado com a ID desse empregado no software. O software cria um registro histórico e em tempo real da atividade do trabalhador com os possíveis incidentes de segurança, e o gerenciamento pode usar os dados para ver o número total de trabalhadores por piso e zona no painel de dados.

A solução permite que Ruf e outros gerentes vejam a atividade no local de trabalho em tempo real e, se ocorrer um incidente potencial, podem receber um alerta. Por exemplo, se um Spot-r detectar uma queda súbita, os gerentes receberão uma indicação de alerta quando e onde o problema ocorreu, que trabalhador foi afetado, bem como a distância da queda. Os algoritmos do software também podem determinar se os dados são indicativos de uma queda, ou se o trabalhador simplesmente desistiu do dispositivo.

Não houve acidentes no local, desde que o sistema passou a operar, informa Ruf, mas a empresa realizou algumas simulações. Amarrou um sensor (pertencente a um trabalhador chamado Jose) a um bloco de concreto, depois o deixou cair do segundo andar. “O sistema disparou um aviso dizendo que José havia caído de quatro metros”, diz Ruf.

Atualmente, a empresa está trabalhando com um programa controlado para o qual assegura o trabalho de todos os seus contratados, o que significa que existem regras muito rígidas em relação às atividades no local. A empresa utiliza grandes companhias de seguros, diz Ruf, cujos representantes visitam o local de trabalho e viram o sistema Spot-r em uso. Todos viram o sistema de gerenciamento de riscos e ficaram impressionados com a tecnologia.

Quando o sistema passou a operar, Ruf diz que foi bem recebido pelas empresas de subcontratação. “Os subs adoram”, afirma, “porque com o sistema, sua produtividade aumenta”. Os trabalhadores estão menos inclinados a tirar pausas longas ou não autorizadas no trabalho e isto gera eficiência.

De acordo com Hollingsworth, os funcionários se beneficiam da tecnologia sabendo que terão apoio em caso de emergência. Cada dispositivo Spot-r vem com um botão de auto-alerta que um trabalhador pode pressionar e segurar por dois segundos, para sinalizar que precisa de ajuda. Um superintendente do site receberá esse alerta, juntamente com a identidade e a localização do indivíduo.

Ruf diz que o sistema também está sendo testado para exercícios mensais, nos quais o software pode ser usado para ver quem ainda está no local a qualquer momento.

Além disso, acrescenta Hollingsworth, a tecnologia pode fornecer análises, como por exemplo, onde os funcionários normalmente trabalham, e quando devem ser reatribuídos, para tornar um projeto mais produtivo. Os dados coletados podem ser compartilhados com subcontratados, bem como com os proprietários do projeto, para que todos os envolvidos possam visualizar o que está acontecendo no local a qualquer momento.

Atualmente, a Lettire informa que o sistema Spot-r foi implantado ou está sendo testado em vários locais de trabalho em toda a América do Norte.

@rfidjournal

WhatsApp chat

Esse website usa Cookies para melhorar a sua navegação. Política de Privacidade