Zoológico monitora saúde de seus animais com etiquetas RFID

Durante anos, a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) serviu o reino animal, a agricultura e a pesquisa acadêmica, inclusive no rastreamento de animais de estimação, mas o Cincinnati Zoo & Botanical Garden, nos Estados Unidos (EUA), pode ser o primeiro zoológico e jardim botânico a incorporar RFID para rastrear o comportamento e saúde dos pinguins. As tags RFID passivas de ultra-alta frequência (UHF) anexadas às asas de 13 “pinguins pequenos” ajudam o zoológico a criar uma nova medida quanto à quantidade de água que os pássaros precisam para prevenir uma infecção bacteriana conhecida como bumblefoot. Cada vez que os pinguins etiquetados passam por antenas ao redor de sua piscina, o sistema entende melhor seu comportamento de natação.

O zoológico de Cincinnati possui aproximadamente 30 pinguins pequenos, a maior colônia da América do Norte. Esses pássaros aquáticos, nativos da Nova Zelândia, vivem uma vida mais sedentária em cativeiro do que na natureza. Tipicamente, são alimentados com refeição de peixe, krill ou lulas fora da água, e não precisam perseguir suas presas. Na natureza, por outro lado, os pinguins devem nadar para comer. Uma consequência desse estilo de vida é uma condição conhecida como bumblefoot – algo que é inexistente em pinguins selvagens. Bumblefoot se remete à formação de “bumbles” (feridas) que causam inchaço da almofada no pé.

Rickey Kinley, especialista sênior do zoológico, diz que o pressuposto comum é que a tendência dos pássaros de permanecer em terra firme por longos períodos de tempo (ao contrário do estilo de vida desses pássaros aquáticos na natureza) leva a lesões bumblefoot. Os pinguins são pássaros relativamente pesados, e muito tempo em pé pode levar a infecções e feridas.

Em 2000, o zoológico começou a experimentar métodos para levar os pinguins à água com mais frequência. Algumas instalações em todo o mundo estão simplesmente mudando suas exposições ou áreas de contenção para forçar os pinguins a passar mais tempo na água. No entanto, não está claro quanto tempo devem permanecer na água para evitar a doença do pé.

O zoológico passou a pesquisar soluções baseadas em RFID para rastrear a atividade física dos pinguins e assim melhorar sua saúde, especialmente a de seus pés. Kinley descobriu que a RFID era usada para rastrear o comportamento dos pássaros na natureza em torno dos ninhos e pensou que a tecnologia poderia funcionar no recinto do pinguim. Sua equipe foi preparando uma solução de baixo custo e criaram seu próprio software e instalaram leitores RFID e tags RFID UHF da Oregon RFID.

O zoológico instalou a tecnologia em janeiro de 2017 na piscina interna dos pinguins, para rastrear quando os membros entram, nadam e depois deixam uma bacia de água. Três antenas são instaladas na água, enquanto uma quarta é implantada na rampa que sai da piscina. Quando os pássaros saíram na primavera, o mesmo sistema foi instalado na piscina exterior.

Inicialmente, depois de instalar as antenas, o zoológico queria garantir que não houvesse muitas tags para ler de uma só vez, como pode ser o caso, se os pinguins se aglomerassem numa área onde uma antena estava tentando ler suas tags . Portanto, selecionou 13 dos pinguins, cerca de seis dos quais estavam sofrendo de bumblefoot. Os pássaros já possuem bandas codificadas por cores anexadas aos ombros para identificação visual. As tags UHF foram anexadas a essas bandas.

O número de identificação exclusivo codificado em cada tag foi associado a um pinguim específico no software do zoológico. À medida que um pinguim entra na piscina, caminha sobre uma rampa artificial coberta de grama, sob a qual o zoológico instalou uma antena de leitor de RFID. A antena captura o ID exclusivo e o software atualiza o status do pássaro. À medida que o pássaro nada, três outras antenas capturam seus movimentos em diferentes porções da piscina. O leitor capta a leitura de dados através da água e, se não melhor do que, em terra firme, diz Kinley, acrescentando que não tem certeza de como as antenas proporcionaram taxas de leitura tão robustas na água.

Os dados, recolhidos no software que o zoológico desenvolveu internamente, permitem que os funcionários visualizem e agrupem as informações. Quando o sistema foi inicialmente instalado, o zoológico também usou câmeras para fornecer um registro visual do que estava acontecendo ao redor da piscina, ajudando os cuidadores a confirmar que o sistema estava funcionando corretamente. Assim, verificam a saúde dos pés de cada pinguim numa base semanal e a presença e o tamanho de qualquer lesão bumblefoot encontrados estão ligados a cada atividade de aves etiquetadas.

O zoológico também está usando os dados de leitura RFID para medir quanto tempo na água é necessário com base no tamanho da ferida, diz Katie Kalafut, consultora comportamental e professora assistente de psicologia na Antioch College, em Yellow Springs, Ohio. Os resultados surpreenderam a equipe de pesquisa, diz: um jovem pinguim conseguiu eliminar um pequeno bumble com apenas 15 minutos de tempo de água por dia durante várias semanas.

O próximo passo é usar os dados RFID, juntamente com o treinamento, para determinar o tempo que os pinguins passam na água – enquanto são alimentados na água, por exemplo. Essa informação será comparada com o tamanho da ferida.

Uma descoberta interessante, diz Kinley, é o número de pinguins que nadam à noite. Isso era algo que tipicamente não podia ser documentado pessoalmente, explica, já que ninguém estava assistindo naquele momento e também não podia ser monitorado por câmeras, pois não gravavam no escuro. O zoológico também descobriu que alguns pinguins são mais sedentários do que outros. Um pinguim chamado Cookie está no zoológico há 10 anos, diz Kinley, e é mais pesado que os outros. Ele tem um caso ruim da condição de bumblefoot e às vezes requer meias que são trocadas diariamente.

Os dados RFID indicaram que Cookie não nada, diz ele. Os cuidadores agora estão usando os dados para começar a melhorar o comportamento de pinguins, como Cookie, que pode ser incentivado a nadar. Kalafut diz que o zoológico pretende por Cookie de volta à água e usar os dados RFID para medir quanto tempo ele passa lá, e também se o treinamento muda seu comportamento no longo prazo.

Quando o sistema foi ativado, o número de pinguins com bumblefoot caiu de seis para três. Como os leitores estão capturando as tags efetivamente, diz Kinley, o zoológico planeja etiquetar todos os 30 pinguins no futuro. Eventualmente, as tags podem ser incorporadas, embora os cuidadores inicialmente quisessem manter a tecnologia como não invasiva.

De acordo com Kinley, outros dados também podem ser comparados com a informação RFID. “Isso abre caminho para outros estudos de saúde animal”, afirma. Por exemplo, a temperatura da piscina e qualquer infecção entre os pinguins que nadam poderia ajudar a criar uma melhor compreensão dos riscos de infecção transmitida pela água. Os dados também podem ser exibidos para o público se o gabinete tiver sido projetado para permitir isso. Por exemplo, os visitantes podem ver uma tela em qual software mostraria a atividade de cada pinguim.

A tecnologia também tem potencial para ser usada para outras espécies animais em cativeiro, observa Kinley, ajudando a melhorar a saúde e o bem-estar de uma variedade de tipos de animais. “Neste momento”, diz ele, “estamos sendo meticuloso para determinar se há vantagem direta para o animal”.

Outras pesquisas também foram realizadas sobre pinguins e RFID. Em 2014, um grupo de pesquisadores da França, Mônaco, Noruega, Reino Unido e Austrália consideraram formas de melhorar os estudos de comportamento animal e a coleta de dados científicos. A equipe descobriu que o uso de leitores RFID em rovers de operação remota minimizava o estresse em pinguins e resultou em dados mais precisos.

 

@rfidjournal 

WhatsApp chat

Esse website usa Cookies para melhorar a sua navegação. Política de Privacidade