Publicidade ao ar livre agrega mais tecnologia

A Outdoor Advertising Association of America (OAAA ou Associação de Publicidade Exterior da América) usou recentemente uma solução de identificação de radiofrequência RFID NFC e UHF para fornecer aos participantes saudações personalizadas ao entrarem na conferência realizada em Nova Orleans, nos Estados Unidos, em maio. A tecnologia serviu também para a OAAA obter informações analíticas sobre os fluxos de pessoas na conferência, para que possa melhorar a estrutura e layout dos andares no futuro.

Fundada em 1891, a OAAA é a principal associação comercial para o mercado de publicidade outdoor (OOH), nos Estados Unidos. A publicidade OOH consiste no marketing fornecido aos consumidores em locais públicos, como outdoors ou displays em áreas de transporte ou outras áreas de reunião. À medida que a tecnologia permite a publicidade digital OOH, a associação tem se interessado em demonstrar novas maneiras pelas quais a tecnologia pode fornecer publicidade além de outdoors ou sinalização.

A OAAA começou a trabalhar com a empresa de tecnologia de eventos ACCESS Event Solutions e a empresa de motores de experiência digital Blue Bite para implantar um sistema em sua feira anual que ilustrasse formas em que a tecnologia pode melhorar a publicidade. A Blue Bite é membro da associação, diz Mikhail Damiani, CEO da Blue Bite. “Queríamos criar uma experiência de surpresa e prazer para os participantes”, afirma. E enquanto a OAAA queria incluir recursos que permitissem aos participantes acessar facilmente os dados em seus smartphones, também queria algo que não requeresse nenhum esforço por parte dos participantes.

As empresas de tecnologia descobriram que a UHF e a NFC juntas seriam a melhor solução, uma vez que nenhuma tecnologia requeria baterias nos crachás. Além disso, cada uma poderia fornecer leituras precisas na entrada do evento.

O sistema consiste em crachás inteligentes ACCESS Event Solutions com duas tags passivas incorporadas: a etiqueta Smartrac Circus NFC com um chip NXP Semiconductors NTAG213 e uma etiqueta RFID UHF Smartrac DogBone com um chip Impinj Monza R6 destinada a uma faixa de leitura mais longa para interagir com telas de mídia no local. Os usuários podem implantar a tag NFC no crachá para interagir com o conteúdo baseado em conferência usando seus próprios dispositivos móveis inteligentes. Para aqueles que não possuem telefones Android, o crachá também veio com um código QR impresso.

Primeiro, cada participante que se inscreveu para a conferência recebeu um crachá inteligente. Os números de identificação únicos nas tags NFC e UHF foram vinculados no software Blue Bite ao nome e à empresa desse indivíduo.

Para usar a tag NFC, os participantes simplesmente precisavam ter a funcionalidade NFC ativada em seu smartphone baseado em Android. Eles tocavam o telefone ao lado da etiqueta NFC, que automaticamente pedia ao telefone para abrir o site, onde poderiam acessar o conteúdo gerenciado pelo Blue Bite, incluindo uma agenda de eventos e outros materiais da conferência, além de localizar relatórios meteorológicos e acessar as mídias sociais. O sistema também pode fornecer informações locais, como restaurantes da área. Nenhum aplicativo era necessário para acessar esses dados.

Se os participantes usaram ou não a funcionalidade NFC, o distintivo forneceu uma função RFID UHF baseada nas mãos. À medida que cada hóspede se registrou, bem como quando entrou no piso da conferência, um leitor RFID interrogou sua etiqueta. A tag respondeu com sua identificação única, que estava vinculada ao nome e à empresa desse indivíduo. Essa informação foi então exibida em uma tela, para que os visitantes pudessem ser recebidos de modo personalizado após sua chegada. Se várias pessoas caminhassem pelo portal de leitor de RFID na entrada simultaneamente, suas informações eram enfileiradas no software para exibir cada nome, na ordem em que as tags fossem lidas.

Durante o evento, diz Damiani, o envolvimento móvel com os dados baseados em NFC foi de uma taxa de 3,4%, o que ele chama de resultado razoavelmente positivo. As taxas médias de interação de dispositivos móveis ou aplicativos, diz ele, variam de 1,5 a 2%. Daqueles que optaram por se envolver com os dados baseados em NFC, 86% tomaram uma ação secundária, como selecionar um prompt na tela do telefone.

Enquanto isso, o sistema RFID forneceu o nome de cada indivíduo que entrou e saiu, com uma média de aproximadamente 7,7 varreduras por crachá e um total de 10.194 listas de nomes. O software armazenou apenas os IDs de crachá, em vez dos nomes, para que os gerentes de eventos pudessem usar os dados para entender melhor o fluxo de tráfego, sem violar a privacidade dos usuários de tecnologia.

@rfidjournal

WhatsApp chat