Hospital impulsiona segurança com RFID

Royal Cornwall Hospitals NHS Trust, do Reino Unido, está lançando um sistema de identificação por radiofrequência (RFID) UHF para rastrear implantes de alto valor usados durante cirurgias. O objetivo é garantir que possam ser contabilizados em todos os momentos – antes de serem implantados em um paciente, durante o processo cirúrgico e quando o paciente retorna para o hospital. A tecnologia faz parte do programa Scan4Safety, no qual os padrões GS1 para códigos de barras ou RFID são usados para identificar implantes de forma exclusiva e garantir que os produtos certos sejam usados nos pacientes. O objetivo é reduzir a incidência de erros, bem como o tempo do pessoal hospitalar gasto com rastreamento.

Os Hospitais da Royal Cornwall são um dos seis com o NHS RFID ou escaneamento por códigos de barras como parte do programa Scan4Safety. A organização é um hospital de ensino que presta serviços de saúde em três locais: Royal Cornwall, em Truro; West Cornwall, em Penzance; e St. Michael’s Hospital, em Hayle. A entidade foi fundada em 1799 pelo rei George IV para servir a comunidade mineira da área de Cornwall e, inicialmente, continha 20 camas. Desde então, foi expandido várias vezes ao seu tamanho atual de 750 camas em seus três locais. Inclui ainda 21 salas cirúrgicas.

O hospital escolheu usar uma UPC e uma solução passiva UHF baseada em RFID conhecida como Atticus, da Ingenica Solutions, para gerenciar seus implantes cirúrgicos. A Atticus é uma solução modular para o gerenciamento de inventário que inclui uma variedade de opções de captura de dados, de acordo com Nicola Hall, diretor-gerente da Ingenica. A Royal Cornwall está optando por começar com um foco na obtenção de visibilidade de implantes à medida que são recebidos no Trust, e novamente quando usados durante procedimentos cirúrgicos.

O gerenciamento de estoque geralmente é um processo manual para quem solicita e fornece implantes cirúrgicos para uso com pacientes. O acompanhamento do inventário está disponível em qualquer momento, bem como quando foi utilizado e em que paciente, garante que não sejam cometidos erros, como a implantação de um dispositivo errado em um paciente, ficando sem um produto específico ou permitindo um item para expirar antes que ele possa ser usado. Mas a gestão desses dados por meio de entrada manual leva tempo para longe dos prestadores de cuidados de saúde.

Um sistema digital que usa RFID para substituir o sistema baseado em papel deve ser muito mais rápido e preciso, diz Nick Kyte, membro do escritório de gerenciamento de projetos do Royal Cornwall Hospitals NHS Trust. “Nossa intenção específica para a RFID é tornar mais fácil possível para o pessoal escanear os implantes”, explica, lendo as tags na embalagem do implante no local cirúrgico.

Embora os produtos possam ser rastreados através de códigos de barras, observa, vários recursos da RFID tornam a escolha melhor. “A RFID é mais robusta – sem códigos de barras desbotados, por exemplo”, afirma. Ele acrescenta que a tecnologia também poupa os funcionários de pegar usar um scanner de código de barras.

Com o sistema da Ingenica, diz Hall, o hospital irá etiquetar produtos implantados, como articulações, em primeiro lugar devido à sua criticidade para a segurança do paciente. À medida que as tags são aplicadas à embalagem do produto, o número de identificação exclusivo de cada tag é armazenado juntamente com informações de identificação, como a data de fabricação, o fabricante, o número do lote e o tipo e tamanho do produto, no software Atticus, hospedado no sistema Microsoft Dynamics.

Em seguida, os implantes são movidos para a área de armazenamento da suíte cirúrgica, onde um leitor RFID UHF da Ingenica. Os membros da equipe colocam o produto no leitor antes de serem implantados em um paciente específico. Naquele momento, os clínicos usam o software Atticus para inserir o ID de um paciente e vincular esse número com o implante à medida que o removem do armazenamento. O software então armazena esse número de ID do paciente, juntamente com os dados do implante.

No caso de um recall do fabricante, o software pode ser usado para identificar todos os números de ID do paciente conectados a um produto específico. Além disso, o software de gerenciamento de pacientes do hospital pode vincular esses IDs com pacientes específicos, para que eles possam ser contatados. O sistema também permite que os funcionários do hospital identifiquem e ponham em quarentena os produtos que ainda não foram implantados, depois devolvê-los ao fornecedor.

O sistema vai operar no final deste mês. A Trust então planeja avaliar a redução antecipada do desperdício de produtos, do estoque extra e do tempo de trabalho, bem como os ganhos de eficiência esperados relacionados a qualquer retirada de produtos. A tecnologia também será usada para automatizar pedidos de reposição para produtos que foram usados e precisam ser substituídos.

Além disso, o hospital está usando tecnologia RFID para algum gerenciamento de inventário. A solução utilizada – fornecida pela empresa de tecnologia de transparência, rastreabilidade e captura de dados em tempo real Lyngsoe Systems – fornece uma rede de pontos de bloqueio de RFID sob a forma de portais de leitor, para localizar equipamentos eletrônicos médicos, como sistemas de pilha cirúrgica, equipamentos de imagem, drivers de seringas e bombas. Eles usam uma combinação de UHF passivo e tags Wi-Fi ativas, dependendo da natureza crítica do item.

Enquanto isso, o sistema da Ingenica Solutions destina-se a atingir os objetivos de segurança do Scan4s do hospital. Este é o primeiro estágio em uma implantação de longo prazo, explica, começando com apenas algumas salas cirúrgicas.

A instalação dos Hospitais da Royal Cornwall é a primeira implantação da Ingenica que usa a tecnologia RFID dessa maneira. “Temos alguma implantação de nossas soluções RFID kanban”, diz Hall, “mas não RFID track and trace”.

Com a implantação do Scan4Sfatey, Kyte diz que o hospital espera obter vários benefícios, incluindo redução de custos com base em redução de desperdício. A tecnologia irá economizar tempo dos médicos que anteriormente gravavam dados manualmente sobre o estoque e o status de cada implante.

No que diz respeito à segurança, Kyte espera que o sistema ajude a garantir que os pacientes sempre recebam o implante apropriado para seu procedimento. Entretanto, acrescenta, a área de estoque em que os implantes são armazenados antes do uso será mais limpa e melhor organizada, uma vez que a tecnologia permitirá que o pessoal compreenda onde os itens estão localizados, o que deve ser usado primeiro e como consigná-los aos pacientes.

A longo prazo, os Hospitais da Royal Cornwall estão apontando para um sistema no qual os fornecedores também participariam da rotulagem dos produtos antes de enviá-los para o hospital. “Nossa esperança é que os fabricantes e os fornecedores comecem com o inventário de etiquetas RFID antes que chegue”, afirma Kyte, “para remover a intervenção manual na nossa área [de recebimento] e, eventualmente, usar a RFID para o seu maior potencial para não apenas o gerenciamento de inventário, mas em todo o hospital”.

@rfidjournal

WhatsApp chat