Coronavírus: medidas para proteger caminhoneiros da pandemia

Devido a crise provocada pela pandemia do novo Coronavírus (COVID-19), diversas ações estão sendo tomadas pelo governo para combater a transmissão do vírus.

O transporte de carga, assim como os serviços médicos, de alimentos e de segurança pública, foi definido pelo presidente, Jair Bolsonaro, como uma atividade essencial, ou seja, que não deve ser interrompida neste período.

O assessor executivo da Confederação Nacional dos Transportes Autônomos, Marlon Maues, afirmou que os caminhoneiros não irão parar devido a pandemia. Contudo, afirmou que o governo está trabalhando para garantir condições de trabalho e redução de burocracias, anunciando as seguintes medidas: 

  • Instalação de postos de atendimento nas estradas para verificar a saúde dos caminhoneiros, como a medição da temperatura corporal. 
  • Postos de gasolina, alimentação, descanso e borracharias precisam estar abertos. 
  • Nas praças de pedágio, há distribuição de álcool em gel. 
  • Pessoas com a CNH vencida desde 19/02/2020 passam a ter o documento validado por tempo indeterminado. 
  • Prazos para recursos de multa e de suspensão do direito de dirigir também ficam suspensos.
  • Suspensão durante 90 dias, em caráter excepcional, de postos com balanças de pesagem (fiscalização do peso dos veículos) nas rodovias federais. A decisão visa a evitar o tempo de parada e o contato entre profissionais.

O Serviço Social do Transporte (Sest Senat) também realizará ações de assistência a esses profissionais em vários pontos no país. “A partir de agora, os Centros de Atendimento ao Usuário fornecerão equipamentos de proteção individual (EPI) para os motoristas, incluindo máscaras e luvas, que serão distribuídos nas concessionárias e postos do Sest Senat no país.”, destacou o senador Luiz Carlos Heinze.

USP desenvolve microcomputador do tamanho de uma moeda.

Fonte: G1 – 29/02/2020 

A Universidade de São Paulo (USP) é uma referência no desenvolvimento de computadores e foi uma das primeiras a inventar uma máquina, ou foi nomeado como “Patinho Feio” na década de 1980. 

Depois de 40 anos de desenvolvimento da máquina, desta vez a USP desenvolveu um microcomputador com tamanho semelhante a uma moeda. 

“São computadores do tamanho de um bilhete de metrô, ou, em alguns casos, computadores do tamanho de uma moeda de dez centavos”, segundo o professor Marcelo Zuffo, do Centro Interdisciplinar de Tecnologias Interativas (CITI). 

 “(…) A pessoa está em um grande esforço de projeto de engenharia, usando ou não a microeletrônica, para que esses computadores fiquem com granularidade de pó” continuado.

Uma microeletrônica é um ramo da eletrônica, que tem como objetivo estudar a integração de circuitos eletrônicos e promover a miniaturização de diversos componentes, em escala microscópica. A área engloba os processos físicos de fabricação de circuitos integrados, como o projeto do circuito em si. 

O microcomputador foi nomeado como “Pulga”. Por enquanto, estão sendo testados por empresas parceiras da universidade, por mais que não estão sendo usados ​​em grande escala, os professores acreditam que logo esta tecnologia está sendo usada e está disponível para um público maior. 

Tendências e inovação no setor de transporte de cargas para 2020.

Com o grande avanço da tecnologia e o uso diário da mesma, é de extrema importância se informar sobre as tendências e de que maneira a tecnologia pode auxiliar no trabalho de atender demandas. 

Independente do setor das empresas, a prioridade acaba se tornando a mesma: Investir em fluxos de operações mais ágil, com eficiência e com custos reduzidos. Com os efeitos da globalização e rápido avanço da tecnologia, altera o comportamento do consumidor e consequentemente o ritmo do mercado tornando ele mais competitivo e exigente. 

Quando o assunto é logística, a inovação é um elemento chave e extremamente estratégico para o sucesso dentro do setor. Contudo, é imprescindível falar sobre tendências em 2020 e não citar a tecnologia da informação como um elemento importante, para a sua empresa alcançar o sucesso. 

Logística quando caminha lado a lado com a tecnologia pode trazer inúmeros benefícios como ao desenvolvimento de soluções que auxiliam na otimização de processos, tornar os resultados satisfatórios e garantir maior qualidade para as empresas no setor.

Além disso, a mudança tecnológica no setor de logística contribuiu com a otimização das rotinas, se tornando mais eficientes e com maior redução de custos. 

Confira algumas tendências para o ano de 2020:   

  • Documentação 100% Digital.  

Com o objetivo da redução de custos, agilizar os processos mas sem perder a eficiência, o “modo online” vem crescendo em setores tradicionais. A previsão para 2020 é o aumento de transação de processos de forma 100% digital. Como casos do Canhoto Digital e documentos tradicionais em relação a fretes que passam a ter existência e validação digital.

  • Automatização de processos. 

Outro grande avanço para a área de logística em 2020 é a automatização manual de processos. Para isso, muitas empresas precisarão capacitar seus funcionários para lidar com novas técnicas e ferramentas tecnológicas. Por outro lado, preza pela importância das relações humanas e além disso, não significa um alerta para o desemprego. 

  •  Inteligência Artificial. 

Assim como na economia, no setor de logística e transporte o cliente é visto como o centro do negócio. A Tecnologia por sua vez, auxilia na interpretação do consumidor, de maneira a entender quais são os gostos e o comportamento do seu público, de maneira personalizada e individual. Desta maneira, a utilização de dispositivos que utilizam o comando de voz, se tornam essenciais em 2020 no Brasil e no mundo. 

  • Crescer de maneira sustentável. 

Esta é uma tendência para o mercado global e principalmente para o setor de transportes, não apenas neste ano como também para os próximos. 

Com o aumento de startups haverá menos impulso para se tornar um inovador, a base para se manter no mercado será preciso uma boa administração empresarial. O mercado para inovação no Brasil é bastante vantajoso dentro do setor, desde que esteja dentro das regulamentações. 

  • E quais são as oportunidades de inovação? 

Com a aplicação de Machine Learning e de Big Data surgem para minimizar problemas em relação no setor e aumentar as chances de inovação e crescimento dentro das empresas e principalmente os caminhoneiros e transportadores, como por exemplo: 

Em relação ao dia a dia do caminhoneiro, o motorista ter acesso a informação em casos de mudanças de rotas em tempo real, na otimização na rota sempre priorizando a sua segurança e eficácia na direção. 

  • Computação em Nuvem. 

A Inteligência Artificial se torna primordial em relação a estratégias independente do setor. Principalmente a Computação em Nuvem, na eficiência em armazenar e compartilhar dados sem perder o ritmo e as informações de dados importantes. 

Esses são alguns fatores dos motivos que as empresas irão investir em tecnologia e como isso pode agregar e diferenciar o seu negócio ao decorrer deste ano de 2020. 

Fonte: https://epocanegocios.globo.com/colunas/noticia/2020/02/tendencias-2020-os-rumos-da-inovacao-no-setor-de-transporte-de-cargas.html

Ford apresentou na Europa nova tecnologia capaz de alertar o motorista sobre perigos na estrada

O chamado LHI (Local Hazard Information ou informação de perigos locais) é um sistema que trabalha de forma autônoma. Seus alertas são gerados automaticamente por ocorrências registradas pelos carros à frente, como por exemplo tempestades de granizo, inundações e deslizamentos de terra.

 

Os sensores IHS são os responsáveis por monitorar determinadas ações, como frenagens de emergência, uso dos faróis de neblina e do controle de tração. De acordo com o fabricante, quanto mais carros estiveram conectados, maior será a eficiência, tendo em vista que os veículos emitem informações automaticamente por meio de uma conexão segura à nuvem usando o modem FordPass Connect – a HERE Tecnologies, parceira da Ford. 

 

Ademais, o sistema pretende adicionar registros de acidentes dos órgãos públicos e reportes de trânsito, como veículos na contramão, obras, pessoas ou animais na pista. O qual não será um benefício exclusivo, pois também pode gerar e receber alertas de carros de outras marcas.

 

O Ford Puma será o primeiro modelo a ter esse novo sistema de série, oferecido com operação gratuita durante o primeiro ano. Até o final de 2020, o LHI estará disponível em mais de 80% dos modelos da Ford à venda no mercado europeu. 

 

– Fonte: Motorshow 

A identificação por radiofrequência (radio frequency identification – RFID) que identificam qualquer objeto com uma etiqueta RFID, agora está sendo utilizada para identificar animais em estudos e criações.

O uso de frequências de rádio para a identificação de tags permite a comunicação cega, a distâncias variadas e, às vezes, com centenas de objetos quase simultaneamente. Essa tag pode ser descriptografada por um leitor externo que coleta e transmite as informações contidas, não exigindo nenhum contato, o que torna a tecnologia uma ótima aliada com os animais. 

 

O monitoramento automatizado de alvos em movimento – neste caso os animais – por meio da tecnologia de RFID permite a amostragem de dados eficiente e extensiva dos níveis individuais de atividade e, portanto, é comumente usada para pesquisa ecológica. Além de estar inserido no cotidiano da população de forma imperceptível, como por exemplo a prevenção contra roubo, gerenciamento de estoque, identificação de animais de estimação e de criação, crachás de acesso, etc. 

 

Esse acompanhamento vias as aplicações RFID, tem sido aplicado com sucesso em diversas áreas de pesquisa e abrangendo uma variedade de sistema de estudos, como, movimento e ecologia de forrageio, conservação da vida silvestre e interações de redes sociais. Um bom exemplo são as aves, que desde o início parecem ser um sistema de estudo particularmente adequado para a aplicação da tecnologia RFID, tendo em vista que as etiquetas podem ser facilmente implantadas sob a pele ou incorporadas em bandas de perna, sem efeitos a longo prazo sobre o sucesso reprodutivo ou a sobrevivência. Estes estudos vêm incluindo os vertebrados (peixes, salamandras, roedores, morcegos, etc) e invertebrados (exemplo, abelhas, besouros, formigas, etc.). 

 

Já com a criação de animais, o controle dos animais é necessariamente individual, para garantir a rastreabilidade e oferecer informações sobre a vida do animal desde o nascimento até a comercialização do produto final com transparência. Outro aspecto de extrema relevância é a associação da identificação individual à adoção de normas e procedimentos em Boas Práticas Agropecuárias, de forma a garantir ao mercado consumidor a oferta de alimentos livres de resíduos e contaminantes de qualquer natureza. 

 

No entanto, o processamento de dados RFID ainda é um problema em grande parte não resolvido, o que potencialmente leva a estimativas imprecisas de atividade comportamental. Sendo um dos principais desafios durante o processamento de dados, isolar as ações comportamentais independentes de um conjunto de detecções supérfluas não dependentes.

 

– Fonte: Revista AdNormas