Google Maps lança opção de rotas com acessibilidade para cadeirantes

O Google Maps foi lançado nos Estados Unidos em fevereiro de 2005. Treze anos depois, o serviço de pesquisa e visualização de mapas e imagens de satélite do Google apresenta a opção de rotas acessíveis para cadeirantes . Com a novidade lançada nessa quinta-feira (15), o usuário poderá encontrar informações sobre quais estações de metrô/trem, ônibus e rotas são amigáveis para cadeiras de roda que, nem sempre são fáceis de encontrar.

Mas, não são todas as cidades que apresentam a opção. No momento, a função lançada pelo Google Maps está disponível apenas em Londres, Nova Iorque, Cidade do México, Boston e Sydney. Por enquanto, o Google não se pronunciou sobre as cidades brasileiras, mas usuários de iOS e desktop que moram na cidade de São Paulo relatam ter encontrado a opção.Para você checar se a função está disponível na sua cidade ou dispositivo, trace uma rota no Maps e selecione o ícone de “Transporte público”.

Em seguida, clique em “Opções” que irá aparecer “Acessibilidade”.

Em seu blog, o Google informou que, em setembro do ano passado, se reuniu com guias locais de todo mundo para discutir questões sobre acessibilidade , como se um lugar tem entrada sem escadas ou um banheiro acessível para pessoas com dificuldade de locomoção. Além disso, o site de buscas disse que está trabalhando em mais capturas e atualização de imagens de Street View.

Vale destacar que o recurso foi criado não apenas para cadeirantes, mas também para pessoas que se locomovem utilizando andador, muletas ou que estejam com carrinho de bebê.

Versão mais leve

Em janeiro deste ano, o Google lançou uma versão mais leve do aplicativo chamada Google Maps Go. A ideia é não comprometer a qualidade de execução da plataforma em dispositivos mais simples ou com acesso ruim à internet, permitindo que o usuário saiba a sua localização, receba atualizações sobre o tráfego da cidade em tempo real, e muito mais. O que torna a versão mais leve é que a plataforma conta com menos recursos visuais do que o app tradicional, ou seja, precisa de menos dados para funcionar. Já experimentou?

@tecnologia.ig