Baseada no uso da Internet das Coisas (IoT), iniciativa sugere a utilização de todo o mobiliário urbano como fonte para monitorar o espaço público contra o crime

Iniciativa que pretende transformar as cidades como meio de conectividade e integração com as forças de segurança, com tecnologia de monitoramento capaz de acionar automaticamente uma polícia, os bombeiros ou a administração pública em casos de tiros ou explosões, é uma nova proposta do MyCitySmart por Metalco ,.

 

O projeto desenvolvido pelo designer Guto Indio da Costa, que usa uma revolução para transformar as cidades, tem como objetivo integrar bancos de rua, abrigos de ônibus, totens e postes de iluminação uma série de câmeras e sensores que reconhecem ou capturam vídeos ou explosões. Através desses sensores, os dados enviados são enviados nos celulares dos policiais mais próximos com acesso às imagens do local em tempo real.

 

Por se tratar de uma rede inteligente e automática, seu grande diferencial é que ela determina os centros de monitoramento, forma ou monitoramento que é distribuído diretamente aos milhares de celulares dos agentes públicos nas ruas. Dessa forma, os sensores autorizados podem “detectar” uma interrupção e, a partir dele, a autoridade autorizada mais preparada para atender a ocorrência de danos causados ​​por imagens reais.

 

A iniciativa permite que cada cidade personalize seus requisitos de acordo com suas necessidades e uso. Contudo, o grande desafio das cidades inteligentes terá a capacidade de analisar dados e usar isso em seu favor, ajustando o planejamento urbano de acordo com as reais necessidades das pessoas, já que, segundo a avaliação de designers, atualmente como as cidades estão despreparadas para lidar com os dados e assim criar planejamentos mais assertivos.

 

O projeto assinado pelo Guto Indio da Costa é fruto de um longo trabalho realizado nos últimos anos e traz uma grande oportunidade de fazer uma rede completa de mapeamento e monitoramento urbano.

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *